segunda-feira, 11 de julho de 2011

Se a TV educa, a internet pode ensinar mais ainda

Um país com tamanha carência de educação precisa deixar o preconceito de lado e aprender a utilizar melhor o potencial da internet.

Quando eu era criança assistir muita TV era proibido, história em quadrinhos também. Havia um consenso que faziam mal para as crianças.
As emissoras passavam filmes de Gary Cooper e Judy Garland durante as tardes e nas madrugadas assistíamos Humpfrey Bogard e Charles Chaplin, em grandes musicais e filmes épicos, mas ainda assim a TV era criticada, independente do conteúdo.
Uma coisa parecida ocorria com as histórias em quadrinhos, as professoras reclamavam que os gibis deixavam os alunos preguiçosos e sem folego para encarar qualquer livro que não fosse ilustrado.
O tempo passou e hoje a TV é responsável pela integração da nação, nossas produções e novelas levam cultura e nossos valores para brasileiros e para centenas de outros países, só o Telecurso 2000 fez e continua fazendo mais pela educação e formação do país que milhares de Secretarias da Educação jamais fizeram.
Os quadrinhos foram reconhecidos como literatura e ocupam sessões em bibliotecas e livrarias, seus autores viraram celebridades e Hollywood transformou em filme até o personagem mais sem graça da Marvel.
Hoje a internet passa pelo mesmo processo – é demonizada por educadores e intelectuais; os argumentos são os mesmos e os pais continuam gritando para os filhos sairem da frente do computador.
Jamais tivemos um aparelho em casa com tamanha capacidade de comunicação e conhecimento. Se os adolescentes ficavam pendurados no telefone, agora é no MSN e Skype. As conversas são quase as mesmas só mudou o aparelho.
Antes de simplesmente criticar e ficar regulando horário, precisamos pensar na qualidade do uso que nossos filhos estão fazendo da Web, que pode ser uma porta de entrada para muita coisa útil, uma enciclopédia universal maravilhosa em todas as linguas e com todas as imagens.
Na internet existe informação, cultura, lazer, oportunidades de trabalho e estudo.
Internet é o novo telefone, a nova TV, o novo cinema, quadrinhos e literatura, pode ser a nova escola. Só precisamos deixar o preconceito de lado, pois um país com tamanha carência de educação precisa aprender a utilizar todo este potencial.

Fonte: Webinsider

Um comentário:

Fernanda disse...

Amei teu blog, cheguei nele por um email do Skoob... =)

@_fcsouza_