sexta-feira, 30 de outubro de 2009


Exposição “O Pequeno Príncipe na Oca” chega a São Paulo
Evento do Ano da França no Brasil homenageia obra de Antoine de Saint-Exupéry
Em um dos eventos mais aguardados do Ano da França no Brasil, o livro que encanta crianças e adultos há 66 anos ganhará uma exposição especial entre os dias 22 de outubro a 20 de dezembro. “O Pequeno Príncipe na Oca”, mostra sobre a grande obra de Antoine de Saint-Exupéry, será exposto no tradicional museu do Parque do Ibirapuera, zona oeste de São Paulo.
No dia 21 de outubro, o evento terá uma cerimônia de abertura especial, reservada a convidados, a partir das 19h30. No dia seguinte, fica aberta ao público das terças a sextas-feiras, das 9 às 19 horas, e das 10 às 20 horas nos finais de semana e feriados.
“A obra de Antoine de Saint-Exupéry é uma lembrança marcante na vida de muitas pessoas. Trata-se de um livro que podemos ler de dez anos em dez anos, tamanha sua universalidade e sensibilidade. Era essencial que o Ano da França no Brasil tivesse, entre seus eventos, uma homenagem ao Pequeno Príncipe, que é uma poética representação da criança que existe dentro de cada um de nós”, afirmou o diretor de Relações Internacionais do Ministério da Cultura, Marcelo Dantas.
A Oca preparou uma grande estrutura para a exposição: são 10 mil metros quadrados com materiais inéditos até mesmo na França. Logo no início da exposição, os visitantes entram em uma pequena Paris, cidade natal do escritor. Em seguida, embarcarem em uma viagem pelos capítulos do livro, em 15 cenários que permitem ao visitante imaginar-se dentro de suas páginas. Ao final da exposição, cada criança será convidada a deixar sua mensagem escrita em uma estrela, “plantada” nos galhos de uma árvore. Estas estrelas serão colhidas por educadores, que as encaminharão ao programa “Passaporte do Cidadão Global”, projeto idealizado pela Associação Arte sem Fronteiras.
“Pequeno Príncipe na Oca” é organizado pela Luk marcas de Valor e Sucession Antoine de Saint-Exupéry e conta com o patrocínio do Bradesco.
Serviço:
“O Pequeno Príncipe na Oca”
Local: Oca, Parque do Ibirapuera, s/n – Portão 3 – Pavilhão Lucas Nogueira Garcez
Cerimônia de abertura: 21 de outubro às 19h30
Duração: 22 de outubro a 20 de dezembro
Horários de abertura: terças a sextas-feiras, das 9 às 19 horas, e das 10 às 20 horas nos finais de semana finais de semana e feriados.
Preço: R$ 18 (inteira), R$ 9 (meia) e livre para menores de três anos, maiores de 60, público especial e escolas públicas agendadas
http://www.opequenoprincipe.com/

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Comemoração e compromisso no Dia Nacional do Livro
Presidente da Câmara Brasileira do Livro, Rosely Boschini destaca os avanços do setor no País

PublishNews - 29/10/2009 - Redação

Há 199 anos, mais exatamente em 29 de outubro de 1810, quando a Corte portuguesa encontrava-se no Brasil protegida da guerra imperialista de Napoleão Bonaparte, registrou-se a transferência da Real Biblioteca para o Rio de Janeiro. Nosso país nunca mais foi o mesmo, pois os livros têm o poder de mudar a história, ao preservar memórias, transmitir conhecimento, formar consciências e garantir aos cidadãos o direito essencial da liberdade de expressão, pensamento e da formação de juízo de valores.

Contribuiu para a difusão da leitura no então Vice-Reino, o nascimento da indústria gráfica, surgida em 1808, também na Cidade Maravilhosa, com a instalação da Imprensa Régia. Repetiu-se no Brasil fenômeno semelhante ao que se observara cerca de 350 anos antes, na Europa, quando o alemão Gutenberg criou os tipos móveis e passou a imprimir. O primeiro trabalho que saiu de seus prelos foi uma Bíblia. Um dos exemplares originais, aliás, encontra-se no acervo da Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro, aquela mesma que um dia recebeu as coleções da família real, compostas por 60 mil peças, entre livros, manuscritos e mapas.
Para se ter idéia da capacidade transformadora da leitura, por volta de 1450, o Velho Continente tinha cerca de 50 milhões de habitantes, dos quais apenas oito milhões alfabetizados. A transformação do livro de privilégio em algo mais acessível, propiciada pela impressão mecânica, multiplicou por três, em poucos anos, o número de europeus que sabiam ler e escrever.

Por isso, é importante comemorar com ênfase cada aniversário da chegada da Biblioteca Real ao Brasil. A data, 29 de outubro, foi oficializada como o Dia Nacional do Livro. Atualmente, nosso país produz 340,2 milhões de exemplares anuais (pesquisa “Produção e Vendas do Mercado Editorial Brasileiro 2008”, realizada pela Fipe/USP, para a CBL e o SNEL). No período de 2006 e 2008, foram lançados aproximadamente 57 mil novos títulos e impressos mais de um bilhão de exemplares. O estudo, que também aponta significativa queda de preços, evidencia os esforços das editoras, livrarias, distribuidores e do segmento de venda porta-a-porta para que a leitura seja cada vez mais parceira do desenvolvimento.

Outro exemplo desse empenho é o fato de as entidades do setor terem acabado de formalizar entendimento com o Ministério da Cultura para a criação do Fundo Pró-Livro. O mercado editorial, cumprindo compromisso assumido há quatro anos, destinará um por cento de seu faturamento a essa finalidade. A contribuição do setor privado à meta de estimular a leitura também está expressa na qualidade. Nesse sentido, as iniciativas do setor livreiro estão ancoradas em consistente trabalho de pesquisa, realizado pelo Ibope Inteligência, por solicitação do Instituto Pró-Livro, criado pela CBL, SNEL e Abrelivros. O principal estudo — “Retratos da Leitura no Brasil” — permite dimensionar o mercado. Delineia necessidades e demandas e aponta caminhos e soluções eficazes para que mais pessoas leiam.

Há, ainda, duas iniciativas da CBL que apresentam consistente resultado: a Bienal Internacional do Livro de São Paulo e o Prêmio Jabuti. Este, criado em 1959, chegou em 2009 à 51ª edição, contemplando 21 categorias e atingindo número recorde de inscrições, com 2.574 obras. Não menos importantes são as ações de divulgação do mercado editorial brasileiro no exterior. Em 2009, com apoio do convênio Brazilian Publishers, firmado pela Apex-Brasil e a CBL, a participação brasileira na Feira do Livro de Frankfurt, a mais importante do mercado editorial do mundo, teve mais visibilidade. No âmbito institucional, neste evento a Câmara firmou significativo acordo com Frankfurter Buchmesse (organizadora da Feira de Frankfurt) que visa à realização de atividades centradas no desenvolvimento da cadeia produtiva do livro no Brasil.

São prioritários, ainda, programas capazes de facilitar o acesso ao livro pelas crianças e jovens matriculados na rede pública de ensino. Nesse sentido, além da ampliação das ações federais (como o Programa Nacional do Livro Didático — PNLD e Programa Nacional Biblioteca da Escola), são necessárias mais iniciativas conjuntas entre União, estados e municípios e a iniciativa privada. Exemplo bem-sucedido da viabilidade desse objetivo é o projeto Minha Biblioteca, iniciado em 2007 na cidade de São Paulo, com forte apoio e participação da CBL.

Há, portanto, boas razões para se comemorar o Dia Nacional do Livro neste 29 de outubro. Porém, ainda é imenso o desafio relativo à meta de converter o Brasil num país de leitores e, portanto, mais desenvolvido, livre e justo! Como “a vida sem luta é um mar morto no centro do organismo universal” (Machado de Assis), é preciso reiterar a cada manhã o compromisso de outorgar a todo brasileiro o direito de repetir a instigante frase de Clarice Lispector: “A palavra é o meu domínio sobre o mundo”.

*Rosely Boschini é presidente da Câmara Brasileira do Livro (CBL).


Direto da cuia 2 – O fabulônibus
PublishNews - 29/10/2009 - Por Ricardo Costa
Isso não é um ônibus. Então o que é? É uma biblioteca municipal sobre rodas! O Fabuloso é um ônibus que foi transformado em biblioteca e que tem uma agenda de visita diária às escolas municipais de Passo Fundo. O “onibusoteca” conta com mais de 2 mil exemplares muito bem cuidados por Elisandra, que acompanha a biblioteca em suas viagens escolares. O município de Passo Fundo tem mais de 200 escolas e “O Fabuloso” não consegue visitar todas em um ano, mas por onde passa faz a alegria de muitas crianças, como William Toldá, da turma 41 da 4ª série, que escreveu um poema (“Leia Mais”) para o Fabuloso.

domingo, 25 de outubro de 2009

Vídeo que retrata a evolução do livro e com isso demonstra a mudanças dos suportes informacionais e quanto temos que nos adaptar a estas evoluções e procurar meios de nos familiarizarmos com as novas demandas.
video

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Ecofuturo está no Livro Livre
Transformar trens e estações em grandes bibliotecas com a distribuição de livros para empréstimos é o propósito do projeto Livro Livre, que ocorre de 26 a 30 de outubro, organizado pela Biblioteca Mário Covas e com realização da CPTM, Companhia de Trens Metropolitanos. O Instituto Ecofuturo, um dos principais articuladores pela criação do Dia Nacional da Leitura (comemorado em 12 de outubro), apóia o evento e irá distribuir 20 mil Passaportes Brincar de Ler durante a edição 2009. Voltado para pais e professores, o Passaporte traz dicas de como estimular crianças de 0 a 6 anos a se tornarem leitores. Com coordenação editorial, pesquisa e texto de Maria Betânia Ferreira, a publicação traz um texto leve e simples com sugestões básicas e divertidas, porém que muitas vezes passam despercebidas por pais e professores. Oferecer um acesso democrático à leitura de literatura é um dos objetivos do Instituto Eco futuro que defende a causa desde a sua inauguração, há 10 anos. Confira no link “Leia Mais” como baixar o Passaporte Brincar de Ler.
PublishNews - 22/10/2009
http://www.ecofuturo.org.br/

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Apoio Cultural para publicação de livros
A Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo vai realizar concurso para selecionar projetos de publicação de livros com apoio cultural. O edital ProAC Nº 15 aponta que serão selecionados 35 projetos que contemplem a publicação de livro inédito de ficção, nos gêneros coletânea de contos; poesia; romance e novela. A premiação será de R$15 mil para cada um, e no mínimo dois projetos selecionados serão obrigatoriamente de proponentes sediados fora da Capital do Estado de São Paulo. Poderão habilitar-se para o concurso pessoas físicas, autores da obra, residentes no Estado de São Paulo há mais de dois anos. As inscrições vão até o dia 1º de dezembro, e o projeto deve ser entregue pessoalmente ou encaminhado Via Postal. Confira o edital completo. PublishNews - 20/10/2009
http://www.cultura.sp.gov.br/portal/site/SEC/menuitem.cbdef30cc636b21797378d27ca60c1a0/?vgnextoid=4923b23eb2a6b110VgnVCM100000ac061c0aRCRD
Frankfurt em números
Os resultados de 2009 da Feira de Frankfurt foram comentados com satisfação por Jurgen Boos, diretor do evento. Conforme ele, “muitos editores acharam que esta foi a melhor feira em anos.” No total, foram 290.469 visitantes, apenas 2,9% menos do que no ano recorde, que foi 2008. Destes, 181.155 eram profissionais do mercado, o que representa uma queda de 2,7% em relação ao ano passado. Por outro lado, na Literary Agents & Scouts Centre, coração das negociações de direitos e licenciamentos, houve um aumento de 2,6% em relação a 2008. “Em suma, foi uma feira muito otimista, com um forte crescimento nas vendas de direitos”, afirmou Boos. Os números e o entusiasmo de Boos contrastam com os rumores que passeavam pelo Pavilhão 8, segundo os quais haveria uma queda de 20% nos negócios neste ano. David Miller, da agência literária Rogers, Coleridge & White garantiu: “[nesta feira] fechamos mais negócios do que nunca.” David Roche, diretor de marketing e vendas do grupo HarperCollins, concluiu: “para mim é inestimável o valor de poder, em pouco dias, me encontrar e colocar a conversa em dia com contatos internacionais importantíssimos.” Pode reservar a data no calendário 2010: Frankfurt Book Fair, de 6 a 10 de outubro. Ano que vem a Feira homenageia nossos vizinhos, a Argentina. “Hasta la vista, hermanos!”
PublishNews - 19/10/2009

Como podemos constatar as feiras de livros ou encontro de editoras a cada ano tem um leve aumento de publico e de participações. Então fica o questionamento da postagem abaixo, que referencia os “GIGANTES” que acredito que para ser gigantes existem gigantes da escrita, porque ainda não foi publicado em livro digital.

Feira é de dois gigantes americanos
Este ano, como muito já se falou, a China é a convidada de honra da Feira de Frankfurt. No entanto, os verdadeiros destaques não têm sido os chineses, mas dois gigantes americanos, Google e Amazon, que conquistaram uma posição dominante no grande combate cultural que se trava em torno do livro eletrônico. O objetivo da Google é a criação de uma biblioteca eletrônica universal. O grupo americano busca, apesar de todas as dificuldades, a digitalização do livro. Dez milhões de obras já foram digitalizadas. A "bulimia" do Google chega a incomodar. O Sindicato francês dos editores (530 filiados) foi à Justiça contra o Google, no Tribunal de Grande Instância de Paris, acusando-o de não respeitar o direito autoral. A segunda frente de batalha é a do livro eletrônico. Os americanos o lançaram antes de todo mundo: a Amazon, com o seu Kindle, a Sony com o Reader. Outros pesos pesados partiram para a luta: por exemplo, a Barnes & Noble, o primeiro livreiro americano, a Apple e alguns asiáticos (Samsung). Os franceses estão muito atrasados. A única editora francesa, a Broken, tem um catálogo ínfimo. E não pode rivalizar com os preços propostos pela Amazon: US$ 9,9 o exemplar.
O Estado de S. Paulo - 17/10/2009

Gigantes são estas pessoas que acreditam na escrita, pois ganharam prêmios em plena época da digitalização, agora sim estes livros vão ser digitalizados e serem gigantes em consulta e downloads.

Escrita como liberdade de expressão
Essencialmente econômica, a Feira do Livro de Frankfurt utiliza garotos-propaganda de renome para atrair a atenção mundial. É o que justifica o desfile de ganhadores do Prêmio Nobel, que se apresentaram na sexta-feira no evento. O mais disputado foi o da mais recente vencedora, a romena naturalizada alemã Herta Müller, que atraiu uma pequena multidão para uma entrevista pública. No mesmo horário, o vencedor de 1999, o também alemão Günther Grass, participou da homenagem aos 50 anos de sua obra maior, O tambor. E, pouco mais tarde, foi a vez do ganhador de 2000, o chinês Gao Xingjian. Herta, no entanto, atraiu mais atenção - para onde mirassem seus grandes e tristes olhos azuis, havia uma câmera, uma filmadora, ao menos um olhar de curiosidade. Ela falou durante meia hora sobre sua mais recente obra, Atemschaukel, que, como as demais, trata essencialmente da luta do homem contra a opressão
O Estado de S. Paulo - 17/10/2009

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

A importância do Livro

Pernambuco dos livros

Com o tema “Literatura do princípio ao fim”, começa hoje (2/10) a sétima edição da Bienal Internacional do Livro de Pernambuco. Até o dia 12 de outubro o pavilhão de exposições do Centro de Convenções de Pernambuco (Av. Professor Andrade Bezerra, s/n - Salgadinho. Olinda/PE. Tel.: 81 3182-8000 será palco de discussões e debates que fomentam a literatura. A organização do evento tem como um dos objetivos para este ano aproximar a juventude dos livros. Em 11 dias de feira, a expectativa é superar os números das últimas edições e receber um público acima dos 550 mil registrados na edição passada. Na programação, oficinas literárias, apresentações teatrais, interpretação textual, palestras, debates, entrevistas e bate-papos sobre o universo literário. Atrás apenas das do Rio e São Paulo, a Bienal deve movimentar R$ 24 milhões em 260 estandes, com participação de cerca de 700 editoras. As atividades ocorrerão em cinco espaços numa área total de 26,5 mil metros quadrados. A Bienal tem curadoria do jornalista e escritor Homero Fonseca e do poeta, tradutor e ensaísta Delmo Montenegro. O Rio Grande do Sul foi o estado convidado para ser homenageado durante o evento. A visitação vai das 10h às 22h e outras informações podem ser obtidas no site da Bienal.
PublishNews - 02/10/2009 - Por Marla Cardoso

Caxias do Sul abre Feira do Livro

Sessões de autógrafos, mesas temáticas, bate-papo com escritores, contação de histórias, palestras, oficinas, apresentações de música, dança, teatro e exposições voltadas para temas que abordem a leitura integram a partir de hoje (2/10) a programação da 25ª Feira do Livro de Caxias do Sul. O evento acontece até o dia 18 de outubro na Praça Dante Alighieri recebendo 42 bancas de livreiros com títulos de diversos gêneros de livrarias e editoras da cidade, de Porto Alegre e de outros municípios gaúchos. Diariamente, o Café Cultural promove programações musicais e sessões de autógrafos. O 5º Passaporte da Leitura, atividade preparatória para a Feira, promoveu, neste ano, o encontro de 17 autores com 26 escolas estaduais e municipais de Caxias. O projeto cria um ambiente propício para o estímulo ao ato de ler, pois as escolas participantes desenvolvem os seus trabalhos em parceria com a comunidade em que estão inseridas num período de três meses anteriores à Feira.
PublishNews - 02/10/2009 - Por Redação

Hoje em dia diz que os livros estão sendo substituídos, mas a cada dia vemos mais e mais eventos e feiras em prol dos livros e leitura, eu sou um leitor nato e nunca vou deixar de ler livros impressos, sabemos que ainda estão caros, mas cabe a nós mudarmos isso, pois estão caros porque ainda muitos não têm o habito de ler, mas que isso esta sendo mudado aos poucos... Gosto sempre de saber o que esta sendo feito em prol do livros e da leitura, pois é através da leitura que aprendemos um pouco mais e podemos estar informado....