quinta-feira, 1 de abril de 2010

O futuro do livro

Editoras, livrarias e autores - os principais elos da cadeia editorial - estão preocupados com o avanço de companhias de tecnologia como Apple, Amazon e Sony, ávidas em lucrar com seus leitores eletrônicos de livros. Para os pessimistas, essas empresas seriam os novos bárbaros, capazes de colocar abaixo o edifício ao minar as bases que há muito tempo sustentam negócio. Os mais otimistas veem exagero nisso tudo, mas concordam que os atores tradicionais do setor terão de mudar seu script para não sair de cena. Nos dois lados, prevalece a dúvida: afinal, qual será o futuro do livro? "Vai haver uma coexistência. [O meio digital] é uma evolução natural do livro. Os consumidores dos livros físicos e dos digitais continuarão existindo porque são tipos de leitura diferentes", diz Eduardo Mendes, diretor-executivo da Câmara Brasileira do Livro (CBL). O tema ganhou tanta importância que o órgão organizou nesta semana, em São Paulo, o I Congresso Internacional do Livro Digital.

Fonte: PublishNews

Um comentário:

Moacir disse...

Eliel:
Como estamos? Espero que bem! Parabéns pelo blog. Gostaria de comentar o seguinte: tive um professor na faculdade que dizia que livros eram fetiches. Se ele tiver razão, os livros de papel nao irão desaparecer nunca. O que vc acha?
Abs,

MOACIR